sexta-feira, 28 de novembro de 2014

O Peru é (bem) mais que ceviche

Algumas das carnes do Osso


Passando rapidinho aqui só para compartilhar informações preciosas com vocês. Confesso que não conheço nenhum deles, mas vale porque são todos novos.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Faça seu próprio pão. Ou sobre "Você é o que você come" (e o planeta também)

Pão de aveia

Pão de centeio com linhaça e geleia caseira


No meu último aniversário, ganhei de presente uma máquina de fazer pão. Na verdade, para ser bem sincera mesmo, eu me dei esta máquina. Sim, porque não aguentava mais comer os “pães de borracha” industrializados, que não têm gosto de nada e muitas vezes levam farinha branca, mesmo os ditos “integrais”, “sete grãos”, “dez grãos” etc. Ah, sim, e pagar quase R$10 por eles. Você já reparou, aliás, como eles duram até dez dias? Isso não pode ser normal. Mas, enfim, comprei.

Nunca fui daquelas doidas por pão, que sofrem quando precisam cortá-lo da dieta por um simples motivo: se como pão uma ou duas vezes na semana é muito. Mas meu marido come todos os dias e, agora que passo mais tempo em casa, pensei que serei um ótimo hobby. Sim, cozinhar para mim é hobby.

E aí que comecei com o branco básico, variei para cenoura, aveia, centeio com linhaça (receitas incríveis que recomendo muito do site La Cucinetta)... e faz um mês, apenas, que a maquininha chegou aqui em casa. Toda vez que faço um pão novo e posto no Facebook, recebo vários comentários, perguntas de receita, da marca da “panificadora” etc. Ou seja, o negócio tá fazendo sucesso. E olha que ainda estou longe de dominar a técnica. Mas o fato não é este, o fato é que uma tendência de comportamento muito forte está pintando por aí: a gente quer mesmo é fazer o próprio alimento. Quer saber o que está comendo. Finalmente, ufa!

Minha mãe, por exemplo, ótima cozinheira que é, nunca fez um pão em casa. Provavelmente porque as coisas não eram tão artificiais como são hoje, mas lembro como se fosse hoje que a mãe de uma grande amiga de adolescência fazia pão caseiro, e quando eu ia jantar na casa dela e comia uma fatia fumegante... hummm! E ela quando ia à minha casa preferia pão francês, que quase nunca tinha na dela. Vai entender, né? J
Agora, o mais legal disso tudo é que passeando pela web eu me deparei com este site. O projeto "Fome de quê?", da consultoria de inovação Questto Nó, está fazendo um mapeamento de tendências de consumo ligadas ao universo da alimentação. O objetivo comercial é servir de ferramenta de inovação por marcas do setor. Mas de quebra eles estão disseminando conhecimento nesta área.

“Por ser um expoente no que diz respeito a uma experiência imersiva e sensorial, o ato de alimentar o corpo convida as pessoas a preencherem suas experiências de rituais, significados e conteúdos próprios, além de representar um dos pilares essenciais da vida”, dizem os pesquisadores. E mais: Até 2050, a população mundial chegará a 9 bilhões de pessoas. “Para garantir alimento suficiente para todos, precisaremos aumentar nossa produção agrícola em até 70%, número que poderia ser menor se o desperdício de alimentos não fosse de até 50%, como ocorre atualmente”. E por aí, reúnem exemplos superbacanas que já estão acontecendo por aí para reverter esta perigosa situação. Vale a pena visitar o site porque tem muita coisa legal, mas selecionei minhas três ideias favoritas:

1. Smart Herb Garden, da Click and Grow. É uma smart mini-horta para produção caseira de ervas e tomates. Comporta até três mudas de planta, que crescem em solo nanotecnológico balanceado e são alimentadas pela luz acoplada. É necessário fornecer apenas água uma vez por mês.

2. A Gastromotiva é a primeira organização do Brasil a promover a transformação e a inclusão social por meio da gastronomia. Ela ajudou a criar o Movimento da Gastronomia Social no Brasil, que oferece cursos de capacitação para jovens carentes que querem atuar na área. Não é in-crí-vel?

3.Kitchen Surfing. Saca o Couch Surfing, em que você reserva pela internet um sofá para dormir, ou o Airbnb, onde você aluga apartamentos? Então! Aqui, você se conecta a cozinheiros e comensais, dependendo do seu objetivo, promovendo experiências gastronômicas caseiras.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Cerveja+queijo: como harmonizar. Ou simplesmente: garanta seu fim de semana


Este fim de semana dei uma passadinha habitual na Vila Madalena e eis que percebo um buxixo numa região relativamente tranquila do bairro, ali, perto dos Doces de Laura, no começo da Aspicuelta. Não tinha vaga para estacionar, tinha uma barraquinha para fora da Queijaria, que também estava lotada... Só pode ser coisa boa, pensei na hora. E era. Tratava-se da primeira edição do "Fermentando a Queijaria", uma feira gastronômica bem diferente. As barracas não tinham nada além de queijos e cervejas, tudo artesanal e nacional, claro. Aliás, tinha um food truck d'A Padeira, que também parecia demais, com pães de vinho, inhame e de cerveja, claro. Mas voltando...
As "barraquinhas" eram separadas não por produtor ou entre comes e bebes, mas por famílias de sabores. Na "refrescante", por exemplo, tinha Paulistânia Lager, Sumeria Witbier Cambuça Blanche e Colorado Weiss Appia para beber. Acompanhando, os queijos Marajó, Santoninho, Primonato e Coalho. Já na "Levemente Amargas", a ideia era harmonizar uma Jupiter APA American com Chumbinho, uma Crazy Rocker Fox Lady com provola e assim por diante.
As cervejas amargas Serra de 3 Pontas Hop Lover Imperial APA e Noturna Green Dream American IPA casavam perfeitamente com os queijos Giramundo, Simental, Catauá e o incomparável (já estou babando aqui no teclado) Canastra Zé Mario. E, last but not least, os queijos aromáticos Flor de Mandacaru, Nova Era e Casa Branca pareciam implorar por um gole gelado da Wals Trippel ou da Bamberg Rauchbier.
Fim de semana chegando, e você estava aí, sem inspiração de como apreciá-lo? A feira acabou, mas #ficaadica e corre até a Queijaria para fazer essa orgia gastronômica em casa mesmo.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Você já ouviu falar no taskrabbit?



É um aplicativo superútil que surgiu nos Estados Unidos e rumores dizem que está para chegar ao Brasil, mas nada foi confirmado ainda. O TaskRabbit na verdade conecta você, que está precisando de algum serviço, a alguém que topa fazer esse serviço.
Segundo o site, ele funciona em três etapas: 1. você seleciona o que necessita (pode ser de enfrentar a fila dos Correios a buscar um remédio na farmácia, passando por um faxina em casa, montagem de móveis, pendurar quadros na parede...). 2. De uma lista, você seleciona um "tasker", alguém que vai prestar esse serviço. 3. O serviço será feito.

Os profissionais são checados em entrevistas pessoais periódicas, mais ou menos como funciona em sites como Airbnb e aplicativos como o 99 táxis, então você pode confiar. O serviço contratado é pago, claro (e 20% do valor vão para o aplicativo), mas as vantagens são: ter em um mesmo lugar diferentes tipos de profissionais, poder se comunicar facilmente com eles (como no 99 táxis) e pagar só depois de o serviço ser finalizado, também pelo aplicativo. Com isso, você pode aproveitar melhor seu tempo livre, o que o TaskRabbit chama de "live smarter".

Tem gente ainda ganhando uma grana com bicos no Task Rabbit, como a avó que pegou serviços de faxina para ajudar a sustentar o neto. É legal porque é informal, e você não precisa nem ter escritório fixo para poder ser um "tasker". Por enquanto, o aplicativo funciona apenas em 19 cidades americanas, mas em um país com tantos problemas de serviço como o Brasil seria uma dádiva poder contar com ele, né?

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Vídeo-arte com comida

A homenagem feita a Tim Burton, em chocolate e nozes


Bolos animados comestíveis. Esta é a especialidade do pâtissier francês Alexandre Dubosc. Ele cria doces para filmar em animações superdivertidas - e lindas! Se quiser conferir, visite seu canal no YouTube aqui. Agora, Alexandre está mais animado que nunca,

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Um fim de semana em Cuiabá

O pacu frito, o chopp gelaaaado e o chopp cozumel do Choppão

A vista e o manjar de coco com calda de maracujá do Atma

Detalhes do salão Espaço La Provence


No mês passado, fui convidada para um casamento em Cuiabá. Nunca tinha ido para lá e, claro, fiquei supercuriosa sobre o que fazer na capital mato-grossense. Pesquisa daqui e dali, fala com duas amigas de lá, reúne dicas... e eis que o roteiro fica pronto. 

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Novo livro no forno


A Bia Kawasaki é uma consultora de estilo superquerida e megacompetente, dessas raras de se ver por aí. A novidade é que dia 10 de setembro ela lança o livro "Dress Code - impacto da imagem pessoal nos negócios".

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

O que fazer em Sintra


O spa do hotel Penha Longa com a capela ao fundo e a vista aérea com os campos de golfe

Sintra é sinônimo de travesseiros com ginjinha. Não entendeu nada? Trata-se de uma massa folhada com amêndoas e raspas de laranja, acompanhada do licor de uma cerejinha chamada ginja. Pertinho de Cascais e a cerca de meia hora de Lisboa (de carro), Sintra vale a visita. Além do conhecido Palácio da Pena – o mais legal de todos os castelos portugueses, com uma arquitetura inusitada e ambientes intactos, inclusive a cozinha, com todas as louças e cobres a que se tem direito. Parece até que a Rainha D. Amélia acabou de preparar o jantar – existem muitas outras atrações.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Cascais: charme pitoresco a menos de 27 km de Lisboa

 A fachada do hotel Casa Pérgola, em Cascais 

No luxuoso Farol Hotel ou no lindo-charmoso-super-recomendo Casa Pérgola, é uma das cidades mais charmosas de Portugal. Para ficar na praia – a mais famosa é a do Guincho – você precisa ser resistente à água gelada, mas compensa: o mar e a areia são limpíssimos e vale passar por ali, nem que seja para molhar os pés na água.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

O pato, ah, o pato...



Ontem à noite fui conhecer o restaurante de comida asiática Satay, aqui em São Paulo. A comida é exótica na medida mesmo para os menos ousados. Para começar, os espetinhos de frango que são a assinatura da casa. O nosso comentário à mesa era: “Tudo deve ficar bom com este molho. Até remédio”, ao que a recebemos a resposta: “Mas o chef não revela a receita nem sob tortura”. 

terça-feira, 29 de julho de 2014

Trendy & foodie



Olha que legal: o site de avaliação de serviços Yelp desenvolveu uma ferramenta para acompanhar as tendências gastronômicas do momento.


sexta-feira, 25 de julho de 2014

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Hotel chic em Zurique

Mexendo em documentos antigos me bateu uma nostalgia... e deu vontade de trazer para vocês um texto que publiquei na revista IstoÉ Platinum há uns três anos, sobre um hotel incrível de Zurique.
Dá uma olhada:





Os 50 melhores bares do mundo

Começou essa semana a votação para o World's 50 Best Bars, premiação que não teve nenhum bar nacional entre os melhores no ano passado. Este ano, vamos esperar que a situação mude, né? Entre os jurados brasileiros, já estou sabendo que estarão os especialistas César Adames (consultor e professor, principalmente na área de destilados) e Marcelo Serrano, que é responsável pelos cardápios de drinks dos bares que amamos: Brasserie des Arts e Satay. Cada um deles deve indicar três bares do Brasil, mas como o voto é secreto, a gente ainda não consegue adiantar nada. Só resta esperar até o dia 9 de outubro, quando o resultado será divulgado em Londres.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Falam por aí


Tanta coisa legal tem se falado de viagens e eu aqui, reunindo para contar tudo para vocês. Tem a nova revista L´Officiel Voyage, dicas para você comer na casa de um local quando viajar, um guia expresso por Tóquio e um hotel de tirar o fôlego em Istambul. Corre! 

sábado, 12 de julho de 2014

Festa à la française


O ambiente da festa fora e dentro do pavilhão

Dia 14 de julho, você sabe, é dia da queda da Bastilha, comemorado anualmente na França. Hoje, adiantado por causa da Copa, um grupo de brasileiros e (muitos) franceses comemorava a data no Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque Ibirapuera.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Especial NY: do melhor do melhor da viagem

Foi muito programa legal, tanto que ficou difícil selecionar o best of the best, mas você, caro leitor, merece. Vamos lá ao imperdível, incontournable e unforgettable de NY:


O piquenique no Central Park.



O passeio Chelsea Market + Highline. Vista linda, passeio agradável, comidinhas (de lagosta a brownie, passando por queijos e focaccias), cerveja boa e roupas/objetos de decoração artesanais. Precisa mais?



Uma manhã no Harlem, o berço da cultura negra africana: o Apollo Theater, o coral gospel (na igreja First Corinthian Baptist) seguido de brunch no Red Rooster com jazz ao vivo. Os pontos negativos da igreja são que o pastor fala rápido DEMAIS e que você não se senta junto à comunidade. Fica "isolado" em uma espécie de segundo balcão para turistas. Mas ainda assim é emocionante.




A pizza gigante do Lombardi's, no Little Italy.


O carrossel no Brooklyn Park (Jane's carousel). Dizem que é o carrossel mais antigo dos Estados Unidos, datando de 1922 e todo feito de madeira. Fica em um pavilhão de vidro desenhado pelo arquiteto Jean Nouvel e oferece vista para a maravilhosa ponte do Brooklyn e para parte de Manhattan. Os tickets custam US$ 2, admite adultos e não abre às terças. Impossível não se sentir criança novamente. Eu tanto me senti que preferi não postar meu vídeo aqui. Pode acabar com minha credibilidade de jornalista séria ;-) 



O balé do Metropolitan Opera House. Custou US$40. Pois é. Não se deixe intimidar pela imponência e fama do lugar (e pelos impressionantes painéis de Marc Chagall), vá até a bilheteria (fica quase na frente de uma Century 21 e dá para ir a pé do Central Park) e se informe. Eu queria ter ido ver Cinderela, mas os ingressos haviam esgotado. Fomos, então, ver Dom Quixote. Foi lindo. Mesmo. Se você não for assistir a um balé no Met Opera House, não vai ver em lugar nenhum.


A ponte do Brooklyn. A arquitetura impressiona e a vista de Manhattan é a mais bonita de todas. E a gente colocou um cadeado na ponte, sim. Me julguem.



O Top of the Rock ao entardecer. É o melhor horário para visitar porque você vê a cidade de dia, as luzes se acendendo, e NY toda iluminada de noite. Vale também para o Empire State Building, mas, #ficadica, o Top of the Rock oferece uma bela vista do Central Park. E do Empire State Building. Sem contar que, se você no for no inverno, ao descer já dá de cara com a pista de patinação mais linda do mundo.


Uma taça de espumante no terraço do MET. O museu mais incrível da cidade tem um terraço surpreendente com um café. Simplesmente sente na grama sintética e tome uma taça de espumante com vista para a cidade e esqueça as três ou quatro horas que você passou devorando as obras de arte com os olhos.



Os queijos americanos. Anote esse nome: Rupert! E compre em uma das milhares de queijarias gourmet da cidade.



Os grafites - a mais incrível seleção de arte de rua por metro quadrado que já vi na vida - e a Flea Market do Brooklyn. Comprei um chapéu dos anos 70, comi o melhor sanduíche de brisket, como você sabe, trouxe lembranças que não teria encontrado em nenhum lugar... é algo realmente único.


Os milhares de chapéus feitos localmente, criados por designers sem nome conhecido, mas repletos de estilo.

O Especial NY do Só Porque Eu Gosto fica por aqui. Espero que vocês tenham gostado. Em breve, dicas quentes de um outro destino para você programar suas próximas férias.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Especial NY: o Lower East Side

Meu drink no Stanton Social e o ambiente do Beauty & Essex

Os picles e o sanduíche de pastrami da Katz


Sim, o "nosso" bairro ganhou um post só pra ele. Primeiro porque, claro, foi o lugar que mais conhecemos. Segundo porque realmente tem MUITA coisa pra fazer lá. A maior parte delas envolve comer. E beber. Confira: 

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Especial NY: museus e galerias


O terraço do MET

A Noite Estrelada, de Van Gogh, que fica no MoMA, e a mostra 
do Costume Institute (MET) sobre o estilista Charles James


Eu confesso que sempre considerei mais a Europa nas minhas viagens que os EUA por considerar a gastronomia e a cultura mais ricas, mas paguei a língua. Se você gosta de uma programação cultural e artística, NY é o paraíso. Se é do tipo que passa longe de museus quando viaja, reveja seus conceitos.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Especial NY: Os doces


Três momentos açucarados da viagem: na Doughnut Plant, fondue de chocolate 
da Max Brenner e french toast com banana caramelada da Clinton Bakery 


O post mais difícil de escrever desta série, ou melhor, o mais difícil trabalho de edição. Para uma formiga como eu, selecionar os melhores doces da viagem é trabalho hercúleo. Mas me esforcei bastante para que você saiba o que de mais delicioso e açucarado a gente provou lá. Só um aviso: não gosto de cheesecake, então você não vai encontrar nenhum na minha lista, mas para não te deixar com água na boca, ouvi falar que o do Junior's, no Brooklyn, é o melhor. ;-)
Segue minha lista pra, sabe, você encomendar se for condenado à pena de morte, ou levar um pé na bunda, ou simplesmente chutar o balde. Vai saber quando a gente mais precisa disso, né? Ah, sim, se você não gosta de doces, pule este post. 

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Especial NY: Comes e Bebes - leste de Manhattan e Brooklyn

Perdeu o último post? Clique aqui.



 
As cervejas claras do McSorley's e os chopps da Brooklyn Brewery

 
Dois ambientes do rebar, no Brooklyn

Eu sei, a minha divisão ficou estranha, porque o Brooklyn fica a oeste de Manhattan, mas tinha tanta, mas tanta coisa boa para falar do borough que achei melhor agrupar assim, ou vocês dormiriam no meio do post passado.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Especial NY: Comes e Bebes - Chelsea, Soho, Little Italy, West Village e mais

        A fachada do Kitchenette (o melhor milkshake da viagem) e o interior do Emporio, no Little Italy 

A entrada do club Smalls e a lagosta do The Lobster Place


Para mim, não existe viagem divertida sem boa comida (e boa bebida). E daí que essa foi uma das minhas maiores surpresas em NY. Obviamente eu sabia que havia todo tipo de cozinha por lá - todo mesmo, do clássico mac & cheese a excelentes italianos, japoneses e franceses, passando por marroquinos, tailandeses (a cidade, aliás, tem perfume de especiarias no ar) e até etiopano - o que eu não imaginava era que comer em NY, de um modo geral, era mais barato que comer em São Paulo.