sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Sobre mudanças e sonhos

 Eu mudo, eu fico muda. Deve ser meu jeito de absorver tanta informação, de compreender tanta novidade, de mergulhar de corpo e alma pra ir a fundo e me adaptar à nova rotina. E de aprender a gostar dela (o que não tem sido nada difícil, diga-se de passagem).
Mas envolve um frio na barriga igual a quando a gente se apaixona e não sabe o que esperar da pessoa amada, não sabe como fazer as coisas de forma que ela se apaixone também. Pois é, estou vivendo isso no meu trabalho. Esses dias li a entrevista de um psicólogo na Lola, em que ele dizia que quanto mais altas as nossas expectativas em relação ao trabalho dos sonhos, mais nos frustramos. E então, eis que aparece uma proposta que eu nem sonhava, resolvo me atirar de para-quedas e descubro que é muito mais emocionante e divertido que jamais sonhei. A gente descobre que muitas vezes fecha os olhos para as coisas/pessoas que, como diria Cazuza, não cabem no nosso sonho, e não imagina o que está perdendo.  Deixa de viver, se divertir, ser feliz, porque ele não era loiro/alto/magro/mais velho/pós-graduado. Ou porque o emprego não era do lado de casa, porque alguém disse que o clima era ruim, porque não é o que vc sempre sonhou...
A vida é uma só, já disse o poetinha, "e duas que é bom, ninguém diz que tem". Então não tenha medo de mudar os seus sonhos. De renová-los e de mudá-los novamente, sempre que necessário. Eu procuro entender as pessoas, com seus defeitos e qualidades, mas se  tem uma coisa que não entendo é a ausência de sonhos. Quem não sonha, não vive. Quando muito, existe. Que tal aproveitar o começo do ano para fazer uma listinha com seus desejos para 2013?